Arquivo | maio 2019

Essa é a receita pra quase tudo…

Olá minha irmã! Após escrever de forma mais detalhada sobre identidade e a importância de enxergar o outro de forma empática agora vamos falar sobre a fórmula da comunicação para se evitar conflitos.

Quando digo fórmula é porque é fórmula mesmo! Não tem como ser mal interpretada se você seguir os quatro passos ensinados na comunicação não- violenta.

O Senhor te conhece e sabe sua capacidade de mudança e transformação. Jesus é nosso maior exemplo de amor, de como se comunicar e se colocar no lugar do outro. Não adianta termos um ” discurso” cristão lindo e não fazermos a diferença…

Nosso objetivo deve ser amadurecer no Senhor, buscar mudança de vida através da intimidade com Ele e querer ir para o céu no dia que Ele chamar. Não dá pra viver o evangelho da boca pra fora.

Então Deus nos dá estratégias para melhor comunicação. Tenho certeza que Ele inspira as pessoas como foi o o Psicólogo Marshall Rosenberg. Esse psicológo criou a teoria da comunicação não violenta em 1961. Ele se especializou em psicologia social, estudou as religiões comparando com suas vivências pessoais.

11

Como já falei algumas vezes: precisamos aprender a escutar para entender e não para responder. Sempre que escutamos ou vemos algo nossa tendência é fazer julgamentos.

Então a tendência é sempre jogar uma frases do tipo: Você não me entende. Você nunca… você não…você é… você tem que ser mais…

É preciso aprender a observar mais, pensar e depois buscar a sabedoria no Senhor para agir. Portanto é aí que está a chave de tudo!

A Linguagem não violenta fala sobre compreender o FATO EM SÍ. E existem os quatro passos para fazer isso. Com certeza se você compreender isso te garanto que sua vida mudará para melhor a partir de agora.

1- OBSERVAR O FATO SEM JULGAR. Você viu o problema. Se prenda apenas ao que você viu,

Exemplo: Você organizou a casa de forma impecável, daí seu marido chega com seus filhos. Você sai para ir ao supermercado e quando você retorna está tudo desorganizado. O quarto dos filhos com todos os brinquedos no chão. A sala está com as almofadas no chão uma bagunça só. O que você faz?

2- SENTIMENTO: O que você sentiu com o fato: mágoa, assustada, alegre, raiva, irritada, tristeza, .Saber e falar sobre isso não demonstra fraqueza e sim desarma uma reação.

Exemplo: Ao ver a bagunça você pára e observa o que está fora do lugar. Daí você identifica o que está sentindo. Será que é raiva ou você está chatiada porque arrumou tudo e eles não valorizaram. Qual seu sentimento?

Exemplo: Como você abordaria nesse caso? Seria assim: Filhos, estou vendo que o quarto está com os brinquedos no chão. Vocês viram que eu arrumei, porque você merecem o melhor. Além disso, tenho medo de você tropeçarem nos brinquedos e se machucarem.

3- RECONHECER A NECESSIDADE: Valores, desejos que geram esses sentimentos, ordem, limpeza, respeito, inclusão,

Amor, eu vi que tem as almofadas e as coisa da sala estão no chão, Eu tinha organizado pra ficar um ambiente bom pra nós.

Exemplo: Filhos, vocês podem guardar os brinquedos por favor.

4- FAZER O PEDIDO: me ajuda a fazer isso? Você pode? Eu preciso de…

Amor você me ajuda a manter a sala organizada por favor.

Também quando você fizer o pedido não significa que eles vão fazer, mas já é um grande começo porque eles verão que você mudou.

Minha irmã, é claro que Deus vai te dar sabedoria para saber observar sem julgar, pois devemos buscar melhorar.

No próximos posts estarei dando mais exemplos concretos.

Lembre- se: Em 2019 temos que buscar amadurecer. Um abraço! Rosielly Souza

Anúncios